Spirit Rede Social de Fãs de Animes, Mangás, Músicas e Cultura em Geral

Faça sua conta no Spirit e Observe essa Fanfic, assim você será avisado sempre que tiver alguma novidade, você também poderá deixar seu Comentário estimulando o autor a continuar a Fanfic.

Fanfic A Filha Do Meu Melhor Amigo. - Capítulo 15

Escrita por ~

Postado
Categorias Justin Bieber, Taylor Momsen
Personagens Justin Bieber, Ryan Butler
Tags Jayley
Exibições 4.700
Palavras 1.414
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Linguagem Imprópria, Sexo, Shotacon/Lolicon
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais.Nenhuma das situações encontradas aqui realmente aconteceu. Não há nada que prove que as personalidades correspondem as originais ou que qualquer cena se assemelhe a qualquer acontecimento real. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual, sendo vedada a utilização por outros autores sem minha prévia autorização. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Heeeeeeeeeeeeeey, brigadeiros, tudo bem? Comigo sim :)
Eu ia postar só amanhã, mas deu vontade hoje u-u
Espero que gostem e, como eu já disse, eu sou T-E-R-R-Í-V-E-L em partes hot.
Beijos e boa leitura!

Capítulo 15 - Casa Mal-Assombrada.


Fanfic / Fanfiction de Justin Bieber - A Filha Do Meu Melhor Amigo. - Capítulo 15 - Casa Mal-Assombrada.

Acordei de manhã com o sol no meu rosto e Justin ainda dormia ao meu lado, ele parecia um anjo. Dei um beijo suave em seus lábios macios e me levantei. Saí do quarto e fechei a porta devagar. Fui em direção ao meu quarto e entrei no mesmo. Tomei banho e troquei de roupa. Estava um frio dos infernos. Desci as escadas e não tinha ninguém na cozinha. Fiz um pouco de chocolate quente e fui pra sala. Me sentei no sofá e liguei a tv. Ouvi passos na escadas e Kelly sentou-se ao meu lado, me dando um beijo na bochecha.

"Bora pegar as minhas coisas na casa da Lisa?"

"Bora, só vou lavar isso daqui."

Mentira, não ia lavar porra nenhuma. Coloquei a caneca na pia e eu pedi a um dos seguranças levar a gente. Chegamos à casa dela e subimos as escadas. Entramos em seu quarto e começamos a arrumar as malas. Assim que terminamos de fechar a última, ouvimos a porta se bater contra a parede com força. Nos viramos e Lisa estava de braços cruzados.

"O que estão fazendo aqui?"

"Pegando minhas coisas, se não se importa." Kelly disse cínica.

"Eu vou lá pra baixo."

Mentira, ia nada. Saí do quarto e elas ficaram lá dentro com a porta fechada. Encostei meu ouvido na mesma e fiquei ouvindo a conversa. Já disse que eu sou curiosa? Haha.

"Vai embora."

"Me dê um motivo."

"Você tá andando com essa garota!"

"Ela é minha melhor amiga!"

"E filha de um mafioso."

"Isso não influencia no caráter dela."

"ELA É AMIGA DO MEU EX-NOIVO."

"EX PORQUE VOCÊ QUIS."

"Eu o amo."

"Ele ama a Hayley."

Ouvi a porta ser destrancada e fingi estar terminando de subir as escadas. Lisa me lançou um olhar mortal e saiu. Ajudei Kelly com as malas e entramos no carro. Voltamos para a casa do meu pai e colocamos tudo no quarto dela. Ela se jogou na cama e disse que ia dormir. Assenti e mandei um beijo no ar pra ela, saindo do quarto. Comecei a andar pelos corredores e vi Justin passando por mim, o abracei por trás e fiquei na ponta do pé, fazendo minha boca alcançar seu ouvido.

"Eu sinto sua falta."

Senti seu corpo se arrepiar e ele se virou para mim, sorrindo.

"Se arruma que eu vou te levar pra um lugar." Ele disse piscando.

"Lugar?"

"Bem longe daqui. Ah, e vá bem agasalhada."

Eu ri e entrei no meu quarto. Tomei banho, de novo, e troquei de roupa. Desci as escadas e o encontrei me esperando com uma mochila nas costas. Entramos no carro e saímos. Não demorou e ele parou o carro num lugar bem longe da cidade. Descemos e ele me deu a mão. Fomos floresta à dentro e andávamos por uma trilha meio escura. Tinha uma névoa baixa. Eu estava tremendo de medo e frio. Depois de quase uma hora andando, eu parei e me encostei numa árvore.

"Não dá, to cansada."

"Falta pouco."

"Minhas pernas doem."

"Vou ter que te levar nas costas?"

"Não seria má ideia."

Ele riu e eu subi em suas costas. Ele andou por mais ou menos um quilômetro e chegamos à uma casa “mal-assombrada”. Ele pegou uma chave do bolso e abriu a porta. Entramos e ele jogou a mochila no sofá. A casa era linda por dentro.

"Nossa..."

"E é só da gente."

Justin's P.O.V

Afinal, o que seria melhor para fazer numa casa onde só tem nós dois do que sexo? Eu praticamente a joguei na cama e subi em cima dela. Como ela podia ter uma carinha tão inocente e na cama ser uma gostosa daquelas? Minhas mãos subiam e desciam pelas suas coxas, eu precisava tirar a calça que ela usava. Ela mordeu meu lábio inferior e num movimento rápido, tirei a calça jeans que ela usava, tendo uma visão perfeita das suas pernas. Ela tirou minha camisa e minha calça. Eu repetia para mim mesmo “Foda com ela antes que você exploda!” Enfim. Tirei a blusa que ela usava e eu já tinha uma visão dos seus seios fartos cobertos pelo sutiã. Eu não aguentei e o tirei enquanto minha língua explorava cada canto da boca dela. Caí com a boca nos seus seios e naquele quarto tudo que se ouvia eram apenas gemidos dela. Aqueles gemidos estavam me excitando cada vez mais. Tirei a calcinha dela e ela já estava mais que molhada, ninguém sabe como isso me provoca. A peguei no colo e a coloquei na escrivaninha que tinha ali. Fiquei de joelho e passei a língua em sua intimidade, estimulando seus clitóris. Fiquei fazendo movimentos circulares com a língua até ouvi-la sussurrar “eu vou gozar”, pouco me importei com aquilo e continuei chupando-a até que ela gozou, bebi todo aquele “líquido branco” e ela puxou minha nuca, me dando um beijo. Ela me empurrou e desceu dali, pulando na cama junto comigo. Ela arranhou meu abdômen de leve e senti sua mão na minha cueca. Oh Lord, seria agora. Ela a tirou e desceu. Logo sinto sua boca no meu membro. Ela fazia movimentos de “vai e vem” com a boca e passava a língua por ele. Impulsionei minha cabeça para trás quando ela deu uma leve mordida. A puxei e a beijei, eu precisava senti-la, agora. A coloquei em baixo de mim e a penetrei com um certo desespero. Não havia som mais melodioso do que os gemidos dela. Ela apertou os próprios seios tentando abafar os gemidos que eram cada vez mais altos. Logo eu já penetrava fundo e rápido e se gemêssemos mais alto, estaríamos gritando. Ela subiu em cima de mim e começou a quicar. Eu sentia que ia enlouquecer. Ela começou a quicar mais rápido, ela cavalgava no meu membro. A tirei de cima de mim e a peguei no colo. Entramos no banheiro e eu sentei no vazo sanitário, que no caso a tampa estava abaixada, e a puxei para o meu colo, a penetrando devagar. Gozei dentro dela e a coloquei em cima da pia. Me abaixei e comecei a chupá-la de novo, eu precisava sentir o gosto dela mais uma vez. Eu a vi apertar os seios e eu coloquei a mão lá, os apertando no lugar dela. Eu aposto que os gemidos podiam ser ouvidos pela floresta inteira. Eu tinha controle total daquele corpo. Assim que ela gozou, de novo, me levantei e a beijei. Nenhum de nós dois queria parar. Entramos no box e eu a virei de costas para mim, a penetrando por trás. Meu membro estava duro e minhas veias estavam engrossando. Ela virou-se para mim e puxou minha cabeça, me fazendo olhar para os seus seios. Desviei minha atenção para os olhos dela e eles tinham ficado escuro, o que a deixava mais linda. Ela me deu um leve empurrão me fazendo sair de dentro dela. Eu abaixei um pouco e a peguei no colo, enquanto ríamos como dois loucos. Sim, éramos loucos, um pelo outro. A beijei e tomamos banho juntos, não foi bem um banho, foi mais que isso. Sacomé né. Ela colocou uma lingerie e eu uma cueca boxer qualquer. Nos jogamos na cama e ficamos abraçados assistindo “Simplesmente Complicado”. O filme era engraçado, mas tinha cada coisa que me deixava com vontade de tê-la de novo, mas eu não ia fazer minha ‘namorada’ andar em uma cadeira de rodas, certo? Depois de um tempo, ela adormeceu e eu fiquei olhando-a dormir. Ela parecia um anjo. Dei um beijo em seu rosto e a abracei por trás, passando a mão em seu braço.

"Eu te amo tanto, garota mimada."

Depois disso, só lembro de dormir.

-

Acordei com o meu telefone tocando. O tirei de debaixo do travesseiro e vi que era o Ryan. Merda.

"Fala, Ryan."

"CADÊ VOCÊ E A HAYLEY?"

"A gente tá no galpão treinando, ué."

"Dá pra voltarem?"

"Beleza."

Desliguei o telefone e acordei a Hayley. Nos trocamos e fomos andando pela floresta até chegar ao carro. Voltamos para a casa do Ryan e só faltou ele me estrangular porque demoramos 4 horas. Falo  nada, ninguém mandou ter uma filha gostosa. Encontrei Jazmyn na sala e ela veio para o meu colo, me abraçando.

"Que foi, amor?"

"Eu tive um pesadelo."

"O que acontecia nele?"

"A Hayley ficava grávida de você, o bebê nascia e ela morria."

"COMO ASSIM A HAYLEY ENGRAVIDARIA DE VOCÊ? O QUE ISSO QUER DIZER, JUSTIN?"

Fodeu.


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!
Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho dos outros deixando um comentário.

Para isto, Cadastre-se ou faça seu Login!


Carregando...